A história

PORQUE LEMBRAR?

Sementes contra o ódio e pela paz

Guernica carrega muitos significados: uma árvore, uma cidade e uma obra de arte. Em todas suas formas, é um símbolo universal de combate à barbárie e a tirania do poder. Ao completar 85 anos do bombardeio à cidade, a memória de Guernica pode também significar a chave e o alerta para quem prefere lutar pela paz ao invés da guerra.

Há 85 anos, o mundo conhecia uma nova e covarde forma de guerra. Era início da tarde quando algo inesperado aconteceu. Pessoas circulavam na feira local da pequena vila basca de Guernica, no norte da Espanha, quando o céu anunciou o terror. 

Aviões estrangeiros jogaram bombas em casas, estações de trem, hospitais e metralharam pessoas que tentavam fugir. Foi apavorante. Naquela segunda-feira, dia 26 de abril de 1937, os conflitos inauguraram uma nova e triste lógica bélica em forma de barbárie.

Durante quase 3 horas, 24 aviões jogaram 40 toneladas de explosivos sobre o pequeno e desmilitarizado povoado basco. A esquadrilha destruiu 70% do vilarejo e assassinou centenas de homens, mulheres e crianças da pequena localidade com cerca de 5.500 habitantes. 

Sem aviso e muito menos razão, o 1º bombardeio a uma população civil na Europa marcou as guerras do século XX e deixou rastros e feridas abertas no mundo até os dias de hoje. Mas quem ordenou e, principalmente, porque esse ataque sem lógica militar aconteceu?

Para entender o bombardeio, a criação do famoso quadro de Picasso, as relações com a guerra na Europa e as conexões com o Brasil, é preciso imergir na história e no simbolismo de Guernica.

Três homens e a estratégia de ódio e poder

A barbárie ocorrida em Guernica tem muitas faces. Para além da tragédia humana, é preciso buscar o contexto histórico e geopolítico da época, suas causas e consequências. São dois os pontos fundamentais para entender o quebra-cabeça da tragédia de Guernica: a Guerra Civil Espanhola e o avanço do nazifacismo na Europa.

Guerra Civil Espanhola

Primeiramente, a Espanha estava em Guerra Civil desde 1936, conflito que dividia o país e que se arrastaria por mais alguns anos, exatamente até 1939, quando começou a Segunda Guerra Mundial. 

Foi nessa época que bascos e catalães viraram alvo do autoritarismo do General Francisco Franco. Como veremos em detalhes a seguir, a identidade do povo basco e o simbolismo de Guernica foram algumas das razões para o bombardeio. 

Mas os motivos não cabiam apenas na Espanha. A Europa passava por profundas transformações sociopolíticas, e o alinhamento ideológico do ditador Franco com líderes de outros países foi determinante.

Nazifacismo na Europa entre guerras

Era o período entre guerras na Europa e final da década de 1930. O continente estava em uma ebulição de ideias e a torre de babel ideológica era complexa e cheia de novas visões de mundo. 

A Itália criou o fascismo com Benito Mussolini e a Alemanha viu nascer o nazismo de Adolf Hitler. Ao mesmo tempo, o mundo já conhecia o comunismo soviético e o capitalismo americano avançava. 

Ou seja, existiam alguns elementos para o estopim de uma guerra a nível mundial, o que acabou acontecendo em 1939, unindo Alemanha e Itália, ambas nações feridas pela 1ª Guerra Mundial, além do Japão. 

Some tudo isso à necessidade de os dois ditadores europeus literalmente precisarem testar suas armas antes do conflito principal. Estavam dadas as condições para o bombardeio de Guernica. 

Lembrem que estamos em 1937, dois anos antes do estopim da segunda guerra, enquanto Hitler e Mussolini precisavam testar suas armas, Franco precisava ganhar sua Guerra Civil. 

Estava montado a tática de poder e ódio onde vidas humanas passariam a ser apenas números dentro de uma estratégia militar.

A Guerra civil espanhola e o avanço
autoritário de Franco

A Guerra civil na Espanha é considerada por muitos especialistas como um ensaio para a 2ª Guerra Mundial. As questões econômicas, ideológicas e culturais dentro do país ibérico traziam à tona conflitos sociais também existentes no ocidente. 

Estava em jogo, dentro da Espanha, embates entre monarquia x república, ditadura x democracia, religião x estado laico, fascismo x comunismo. 

O choque de classes sociais era violento e um caldeirão de pensamentos se misturava com uma crise social e política que se arrastava desde o século XIX.

Disputa entre monarquistas e republicanos na Espanha

Ao chegar no século XX, esses conflitos já representavam diversas tentativas frustradas de governo. Em meio a escândalos de corrupção e frente a iminência de revolta social, o caminho para mudanças se abriu e o próprio fim da monarquia e início da república acabaram por acontecer. 

Lembremos que, atualmente, a Espanha é uma monarquia parlamentarista. Mas, na convulsão do início do século XX, o rei da época, Alfonso XIII, abdicou do trono para instaurar um regime parlamentar constitucional após eleições que racharam o país em 1931, entre os conservadores monarquistas e os progressistas republicanos. O período acumulava muitas contradições.

A temperatura se acirra depois que republicanos saem fortalecidos das eleições e têm seu representante eleito. O presidente busca reformas, mas encontra dificuldades e insatisfação da sua própria base. 

O país permanece sem resolver suas tensões sociais que se aprofundam em conflitos e polarização política. Há tentativa fracassada de golpe pelos monarquistas e novas eleições elegem a direita ao poder. 

Chega o ano de 1936, e a esquerda republicana ganha novamente e retorna ao governo com margem apertada de votos. A direita questiona, não aceita o resultado e lança outro golpe militar contra a República em 18 de julho de 1936, esse planejado por Francisco Franco e outros militares. 

O governo republicano reage e o que antes era apenas tensão social se transforma em uma guerra civil entre os dois lados

Conflito sangrento entre dois lados de um mesmo país

A disputa pelo poder estava em jogo e prontamente ambos os lados buscaram apoio internacional. 

De um lado, os nacionalistas mais alinhados a monarquia, ao clero e aos valores tradicionais da sociedade espanhola se aproximaram do governos fascistas italiano e nazista alemão. 

Do outro lado, os republicanos, mais alinhados ao movimento operário e aos valores progressistas, buscaram agregar comunistas, anarquistas e se aproximavam do governo da então União Soviética. 

Os extremos estavam posicionados nas trincheiras espanholas e contavam com olheiros de fora do país.

O conflito é sangrento e custa, ao final de quase três anos, mais de 500.000 mortos. Alguns estudos chegam a 1 milhão de mortos. Ambos os lados são acusados de crimes, assassinatos e torturas de civis. 

A Guerra traz tragédias humanas como a fome e órfãos em meio à violência e ao ódio. A barbárie parece se normalizar e o prenúncio da tragédia de Guernica parecia estar se desenhando cada vez mais no horizonte. 

Em certa altura da Guerra, Franco tem dificuldades de conquistar regiões mais desenvolvidas do país e projeta avançar usando outras táticas. O bombardeio se aproxima. 

Junto com seus aliados Hitler e Mussolini, a estratégia bélica da Falange fascista de Franco tem alvo e destino corretos dentro do seu próprio país: o povo basco e o norte da Espanha. 

Uma população com identidade cultural histórica forte em busca de emancipação e que lutava no lado contrário à Franco, o lado republicano. 

Por fim, o dia 26 de abril é escolhido por Franco e a vila de Guernica vira o palco do ódio e da morte. Uma arma fatal e também moral que mudaria o destino do próprio País Basco na segunda metade do século XX.

O Bombardeio

Umas das melhores maneiras de trazer a realidade de um conflito é a narrativa dos fatos e a prática do jornalismo feito por repórteres dentro do território onde os conflitos acontecem. 

É conhecida a frase que diz que a primeira vítima da Guerra é a verdade. As notícias falsas podem ter sido potencializadas pelos meios digitais de hoje mas, a disputa de narrativas e mentiras sempre existiu nesses contextos bélicos. 

No caso do bombardeio de Guernica, não foi diferente. Por anos, o lado fascista diz que o ataque foi orquestrado pelos próprios bascos. Graças ao relato do correspondente inglês George Lowther Steer, isso foi desmentido e o horror do bombardeio pode ganhar a denúncia necessária pelo mundo. 

Com carreira dentro do exército britânico, Steer havia se tornado um grande correspondente de guerras. Já havia presenciado outros conflitos pelo mundo, mas sua principal contribuição foi a reportagem feita logo após o bombardeio, publicado no The Times e no The New York Times no dia 28 de abril de 1937, dois dias depois da tragédia.

Aos 27 anos, ele presenciou a barbárie e a morte. Estava cobrindo a Guerra Civil no País Basco e, tanto sua vida, quanto a percepção do mundo sob o conflito, seriam influenciados pelo seu olhar histórico. 

Pablo Picasso lançaria sua célebre obra de arte Guernica três meses depois e Steer publicaria seu livro, a Árvore de Guernica, de 1938. 

A seguir, destacamos um trecho do livro:

A cada vinte minutos chegava nova onda de atacantes. E entre as explosões e os jorros de labaredas provocados pelo metal incandescente em contato com cortinas, vigas, portas e tapetes, enquanto uma grande mortalha cinzenta pairava sobre Gernika, suportada pelas colunas brancas ali onde começavam os incêndios, durante as pausas da guerra moderna, a população corria pelas ruas para arrebentar as portas dos abrigos sufocantes, e para retirar as crianças e pertences pequenos e sem valor das casas tomadas pelo fogo.

Houve muitos gemidos em Gernika, muita labuta ofegante para desencavar os feridos antes da chegada dos aviões seguintes. Vinte minutos durava o intervalo entre cada onda de fogo, e os padres aconselhavam as pessoas para que se mantivessem calmas. Nesse momento, algo como um espírito de resistência passiva havia brotado nelas. A face de Gernika transformava-se em cinzas, a face de todos estava cinzenta, mas o terror alcançara um ponto de obstinação submissa jamais visto em Biscaia.

Nos intervalos, as pessoas saíam do vilarejo, mas o temor dos caças e de se separar de suas famílias fez com que muitos permanecessem. E então os aviões retornaram com os tubos de lata, despejando-os sobre Gernika; outra parte foi destruída, e mais gente acabou soterrada nos refúgios. 

George Steer continuou a presenciar conflitos e morreu aos 35 anos em um acidente no dia de Natal em Bengala, Índia, em 1944, em operações britânicas na Ásia durante a Segunda Guerra Mundial.

Resultados do bombardeio de Guernica

Após o ataque planejado por Franco e executado em conjunto pela Legião Condor de Hitler e a esquadria italiana de Mussolini, o ditador avança. Entre 1937 e 1939, Franco cerca outras importantes cidades no norte da Espanha, além de Barcelona e Madrid. 

Outros bombardeios ocorrem no país e as regiões mais industrializadas da Espanha caem sob domínio do tirano e a Espanha acaba nas mãos dos fascistas. 

Franco declara vitória em 1 de abril de 1939 e implementa sua ditadura de 35 anos até sua morte em 1975. Como todo regime ditatorial e autoritário, oprime seus opositores e derrotados. Milhares de republicanos são mortos e presos e muitos se tornam refugiados..

Após 85 anos, o distanciamento histórico e os fatos conseguem dar luz aos reais motivos do bombardeio e explicar melhor o que significou o ataque à vila de Guernica, suas consequências para a Espanha e para o mundo.

Consequências do bombardeio de Guernica para Espanha
e para o mundo

Não resta dúvidas que foi um ataque político contra a população civil para ferir a moral do povo basco e pressionar suas lideranças. Matar pessoas e destruir a cidade e não as indústrias que ali estavam mostrava claramente as intenções e as táticas do general Franco. 

O “Generalíssimo”, como era chamado, resolveu questões militares pela tática da barbárie. Obrigou a rendição dos líderes bascos, forçando o abandono do lado republicano e, como consequência, feriu o orgulho do povo, amedrontando com seu poder e ódio à população ao aniquilar sua cidade histórica. 

Ao mesmo tempo, Franco se fortalecia geopoliticamente com o fascismo e o anticomunismo. De maneira planejada, o ditador também inaugurava uma nova forma de fazer Guerra. 

Após o bombardeio de Guernica, outras táticas como essa também ocorreram do lado oposto. Britânicos e aliados bombardearam a cidade alemã de Dresden, e americanos jogaram as bombas atômicas nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. A barbárie estava institucionalizada e normalizada. 

Na Espanha, a escolha tática e militar somada a ditadura de décadas de Franco  promoveu outras consequências. Muitos especialistas asseguram que essas ações e repressões acabaram por promover mais violência. 


Legado social e cultural de Guernica

A obra de Guernica de Pablo Picasso

A melhor definição de uma das obras mais importantes do século XX foi a resposta de seu autor ao responder a pergunta de um oficial nazista. O artista vivia em Paris e era constantemente visitado por militares na França.

A pergunta à Picasso abordava se ele era ele quem tinha pintado a tela, e ele respondeu: “Não, foram vocês”. A potência de sua obra é traduzida no legado político, cultural e artístico que ela representa até hoje. 

Mas a história da obra se iniciou antes. Meses antes de criar Guernica, Picasso havia recebido a encomenda do governo espanhol para criar uma obra para representar a Espanha na Exposição Internacional de Paris. 

Depois de ver a repercussão iniciada pelos relatos de Steer e as fotos da atrocidade, o artista decide mudar sua criação. Começa a pintar uma tela para representar a barbárie a destruição da Guerra ocorrida em seu país natal. 

Guernica é um ato político e tem a arte como forma de mostrar ao mundo o que a humanidade é capaz de criar. Uma obra que retrata a violência, clama pela paz e se torna símbolo mundial contra a Guerra.

A obra é um enorme mural feito em óleo sobre tela de tendência modernista com dimensões de 3,51 m por 7,82 m e feita em preto e branco. Inicialmente seria em cor, mas Picasso mudou no decorrer da obra. 

Hoje, o mural está no Museu Rainha Sofia em Madrid, mas por décadas ficou no MOMA de Nova York, respeitando a vontade do seu criador de somente estar em solo espanhol quando a democracia e a república fossem restauradas no país. 

A obra voltou ao país em 1981, depois da morte de Franco. Antes, fez um tour pelo mundo, incluindo o Brasil, por onde passou em 1953, na segunda Bienal de São Paulo, com grande sucesso de público. 

Se buscam compreensões sobre os detalhes dentro do quadro. Há muito significado nos símbolos e elementos como o touro, o cavalo, a mulher com a criança e outros elementos. 

Mas o próprio Picasso não gostava de explicar e evitava dar razões estéticas e conceituais sobre o quadro. Assim, também tinha consciência do poder de sua arte que, ao final, não era mais só dele, pertencia a todos. Dessa forma, ajudou a imortalizar sua obra e seu legado.

Árvore de Guernica: um símbolo para os bascos

O símbolo e o espírito de Guernica se espalharam pelo mundo depois de 1937, mas ela já era símbolo para o povo basco muito antes. Uma identidade manifestada em diálogo e democracia da região. 

Durante séculos, o povo e seus líderes se reuniam em assembleias onde reis de outras regiões juravam respeito às liberdades e a autonomia de Bizkaia e, posteriormente a autonomia do povo de Euskal Herria (País Basco). 

Guernica, além de emprestar o nome à cidade e à obra de Picasso é, sobretudo, uma árvore, um carvalho da espécie Quercus Robur. A árvore foi plantada no século 14 e sucessivas mudas foram replantadas e perpetuadas até hoje. A quinta geração foi plantada em 2015.

Foram conservados os restos da 3ª geração da árvore, a Gernikako Arbola, ou ainda Gernika, (a árvore de Guernica, escrita em euskara, a língua basca, se escreve \sem a letra ‘u’ com ‘k’ ao invés da ‘c) e que permanece dentro do Parlamento Basco hoje, na cidade de Gernika-Lumo.   

Essa mesma árvore também estava lá no dia 26 de abril de 1937. E sobreviveu de forma impressionante e incólume aos ataques nazifascistas. Um símbolo fortalecido de paz frente ao ódio da Guerra.

Do fascismo no Brasil até a diáspora basca pós guerra

E qual a conexão do Brasil com essa história? Assim como hoje, o país já estava conectado com a economia global e já tinha população imigrante européia. 

O país também acabou se envolvendo na Segunda Guerra Mundial e o governo de Getúlio Vargas esteve próximo de apoiar o eixo, mas depois ficou ao lado dos Americanos e aliados. O país não ficou alheio às disputas ideológicas da época e isso acontecia também dentro do território nacional.

Fascismo no Brasil: Movimento Integralista

O Brasil, inclusive, teve um dos maiores movimentos fascistas no mundo e um de seus líderes, Plínio Salgado, teve um encontro com Mussolini na Itália. 

O Movimento Integralista foi um importante movimento de extrema-direita, teve relações com o governo Vargas e organizou golpes fracassados contra o próprio governo. 

Há livros que contam em detalhes esse movimento e os embates com os comunistas que ocorreram na “Batalha da Praça da Sé” em São Paulo, inclusive, com mortes entre civis. 

Sem se aprofundar muito aqui nesse texto, algumas das razões que explicam o surgimento do Integralismo no Brasil, estão: raízes conservadoras, passado escravista, governos de elites oligárquicas e pouca democracia no país. 

Terreno fértil para o advento de movimentos de extrema direita. E podem, inclusive, explicar outros movimentos de cunho racista, xenofóbico, homofóbico e intolerantes vistos hoje, exemplificados no aumento da  cultura da violência e no crescimento de grupos neonazistas na internet. 

Refugiados da Espanha no Brasil

Ao mesmo tempo, o Brasil também acolheu e recebeu, como consequência do bombardeio de Guernica, da Guerra civil espanhola e do pós 2º Guerra, homens, mulheres e famílias que fugiram da Espanha em busca de liberdade e melhores condições de vida. 

A comunidade basca foi uma delas. Bascos vieram ao país buscando uma nova realidade e fincaram raízes no Brasil, em especial no Estado de São Paulo como vemos nos depoimentos abaixo:

“Quando saí da grande prisão de Franco e nos encontramos no Brasil, um grupo de cerca de 25 bascos queria fomar uma associação. Já existiam associações espanholas e catalãs, mas nós queríamos formar nossa prória ‘batzok’ (referência a sede do partido basco). A associação “Eusko Alkartasuna” (União e solidariedade basca) foi criada na fábrica Aisola em 7 de setembro de 1957 e, depois a sede se instaurou em uma chácara em Interlagos, onde está nossa “Gernika Kutun”. (Gernika, querida). Alí, era um lugar para nos sentirmos bascos, sentir o nacionalismo basco e, da nossa maneira, consertar os poblemas dos bascos.”

José Ramón Zubizarreta – Chegou ao Brasil em 1953 e foi um dos fundadores da Casa Basca em São Paulo

“Quando começou a Guerra civil, eu tinha 15 anos e apesar de não poder pegar em armas, fui como voluntário a cavar trincheiras. A Guerra foi muito dura e ainda mais dura no pós Guerra para os perdedores. Tentei fazer minha vida trabalhando, mas a pressão social era muito forte e muitas vezes a situação se colocava sufocante e insuportável. Não via muito futuro na minha carreira profissional e em 1950 partimos para o Brasil. Aqui, eu e minha família encontramos a liberdade e o espaço necessário para viver e crescer.

Victor Salazar – Nasceu em 1921 em Barakaldo e viveu na cidade de Rio Claro, SP

Filhos de Guernica: Presença de Bascos no Brasil

Outros bascos que sofreram na pele a ditadura também chegaram e ficaram. Entre eles, está Gabriel Otamendi. Nascido em Bilbao, lutou ao lado dos republicanos entre o País Basco e a Cantábria. Foi preso pelos franquistas e passou 7 anos carregando pedras onde foi quase fuzilado. 

Chegou ao Brasil em 1951, se estabeleceu em São Paulo onde trabalhou em diversas atividades e continuou se engajando politicamente. Participou do Centro Republicano Espanhol e também chegou a ser detido na época da ditadura militar brasileira.

Outro basco que teve sua vida marcada pelo fascismo e hoje está em terras brasileiras é Benito Zumalde. De família nacionalista basca, se envolveu ainda jovem na luta em defesa da pátria basca. 

Pintando muros, colocava ikurriñas (bandeira basca) nas cidades e participava de mobilizações. Foi preso na ditadura e ficou 8 anos em Burgos, como muitos outros conterrâneos que eram contra Franco. 

Veio ao Brasil de férias por intermédio de seu irmão que já vivia aqui e escolheu o país para ficar desde o início dos anos 2000. Atualmente vive em Ilhéus onde é casado com Cristina Zumalde. Em Euskadi, foi pintor e aqui ainda escreve sobre política. 

A rede basca no Brasil se estendeu. Não é muito numerosa como em outras partes da América Latina, mas teve algumas ondas importantes de migração. 

O Rio Grande do Sul, em especial a cidade de Uruguaiana, tem forte comunidade. Lá foi criado Emílio Garrastazu Médici, presidente durante a ditadura militar entre 1966 e 1974. 

Do outro lado ideológico, também houve migração. Uma missão de padres e freiras bascos – dentre os quais muitos adeptos da teologia da libertação–, também aportaram no país. 

A periferia da Zona Leste de São Paulo recebeu mais de uma dezena de religiosos no final dos anos 60 e um trabalho que deixou muitas raízes até hoje. Como se pode notar, os bascos no Brasil também tinham campos ideológicos plurais e distintos. 8

Instituições Bascas no Brasil

Além desses imigrantes, empresas bascas também estão por aqui. Iberdrola e Irizar são algumas, mas existe grande diversidade de empresários que empreenderam e fundaram negócios ou instalaram sedes aqui – há cerca de 90 plantas bascas no país hoje. 

A sede da histórica Casa Basca, inaugurada em 1957, permanece viva e conta com um Frontão – local onde se pratica o popular esporte de pelota basca –, além de promover outras atividades. É liderada por Pilar Alava, filha de descendentes bascos no Brasil. 

O legado dos conterrâneos da terra de Gernika segue vivo e nos 85 anos do bombardeio, uma série de atividades é organizada pela Casa Gernika (2022), a Casa basca de São Paulo (1957) e a Eusko Brasil Etxea (2009). 

O Evento também é apoiado por outras importantes instituições brasileiras como o Instituto Vladimir Herzog e a Câmara Legislativa de São Paulo, o Palácio Anchieta, fundador da cidade que inclusive, tinha ascendência basca por parte materna. 

Veja mais sobre o evento e programação completa aqui.

Em tempos de Guerra, a lição de Guernica para o mundo

Em tempo de Guerra e após uma crise social deflagrada pela pandemia, evocar o passado e analisar a história sempre pode trazer respostas para a paz. 

É fato que iniciar uma guerra é mais fácil do que pará-la e, embora todos nós ganhamos com um mundo sem conflitos e sem violência, as guerras continuam existindo e em todas partes do globo. E com avanço da tecnologia, se tornam cada vez mais destruidoras e letais.

Ao olharmos para o bombardeio de Guernica e trazer paralelos com a Guerra entre Rússia e Ucrânia ou ainda outras, diversas semelhanças aparecem. 

O primeiro e mais visível são os ataques e bombardeios a lugares onde as pessoas têm suas vidas sendo brutalmente interrompidas por bombas e mortes. 

O menos visível, mas provavelmente o que determina o início desse ambiente bélico, são sempre questões mais complexas e históricas. 

A geopolítica, interesses econômicos, as ideologias e decisões de lideranças políticas acabam sendo o pavio de pólvora que determinam nossa paz (ou a falta dela). 

Seria certo afirmar que existe uma disputa entre ocidente e oriente dentro do conflito europeu? A Otan fez pressão desmedida ou a Rússia quer remontar seu império? 

O fato é que não há mocinhos, nem bandidos e sim países ou blocos de nações buscando hegemonia e um povo habitando um território no meio desse conflito. 

Lembra da disputa pelo poder na Espanha, do mosaico de nações sob tutela de um Estado e das interferências externas? Em 2022, qualquer semelhança pode não ser uma mera coincidência. 

Há evidências claras de que está ocorrendo uma ascensão de um novo tipo de extrema direita no mundo hoje. Ao mesmo tempo, há um neoliberalismo financeirizado causando desigualdades econômicas e instabilidades no Globo. 

Um rearranjo geopolítico incluindo a China como a nova maior economia do mundo só aumenta o caldo das tensões. São em momentos de desordem social como esse que podem surgir lideranças e ditaduras como respostas. 

Sejam elas em formatos mais evidentes e personificadas como Putin ou menos evidentes como organizações militares como a Otan lideradas por Biden e companhia. 

A Guernica de Picasso foi um alerta feito há 85 anos atrás. Um apelo feito aos gritos. Uma denúncia em forma de arte para relembrar a memória de vidas perdidas em momentos de pouca razão e muito ódio e poder. 

A falta de democracia real e a intolerância à diferença do outro, seja pela raça, ideologia, credo, língua, orientação sexual, etnia, território, sempre acaba em barbárie. 

As coisas podem mudar de nome, mas o culto ao ódio, ao passado, acaba por cegar e afastar as pessoas que estão no poder da capacidade de fazer a paz em vez da Guerra.

 Assim, a falta de justiça social pode cultivar e inflar o ódio, a violência e a intolerância entre nós mesmos. O caso do espancamento e assassinato do congolês Mouse é apenas um dentre tantas manifestações do Brasil violento.   

Não há vitória onde não há paz. E não existe vitória sem a compreensão do passado para evitar a tragédia no futuro. 

Guernica é uma boa aula para quem deseja a paz e os 85 anos relembrados em 2022 na Semana Gernika Viva em São Paulo uma oportunidade para pensarmos o mundo e o país sem extremos e com democracia que todos queremos.

Participe e inscreva-se na Semana Gernika.